11 de agosto de 2009

Entrega, renúncia e dedicação.

"No final é você contra você mesmo. A vida é dura e ela bate forte, mas o que importa de verdade não é o quanto você bata...mas sim o quanto você apanha e consegue continuar de pé" [Texto da internet]


E quando você precisar? Com quem realmente vai poder contar? As vezes deixamos de lado pessoas que nos amam de verdade para dar importância a tantas outras que, na hora do "vamos ver", simplesmente caem fora. Quantas pessoas realmente se importam com você? Quantas pessoas realmente vão cumprir o "pode contar sempre!"? Quantas pessoas vão provar o verdadeiro amor que sentem na hora da dificuldade? E quantas vão nos provar que era tudo falsidade? Pode até ser cliché, mas é verdade: é na hora do "aperto" que descobrimos quem se importa verdadeiramente conosco. Pensam que amar é fácil? Não, meu caro! Não é! Amor de verdade é muito diferente de tudo que isso que vemos por aí, nos dias de hoje. As coisas mudaram. As pessoas só pensam em si mesmas, em seus próprios umbigos. O "eu te amo" foi banalizado. Como dizem as comunidades do Orkut: virou "bom dia!". As pessoas adooooram a nossa companhia... e o nosso sorriso! Agora experimenta chorar pra você ver. Experimenta sofrer. Todo o mundo sai correndo. Claro, não vamos generalizar. É lógico que existem pessoas que se preocupam de verdade conosco. Sempre tem. Mas pare, pense e conte quantas pessoas ficaram VERDADEIRAMENTE e TOTALMENTE do seu lado no momento em que você mais precisou. Dá pra contar nos dedos das mãos, ?! Pois é, é isso aí. É esse aí o mundo em que vivemos. Não quero dar uma de moralista ou coisa do tipo. Não quero fazer o gênero "supeeeer amiga". Não sou. Não mesmo. Claro que me preocupo com meus amigos. Gosto de ajudá-los, sabe?! E chegar a essa conclusão me faz um bem danado. Mas o motivo desse post não é dizer o quanto gosto de ajudar minhas amigas a estudar para as provas... e sim dizer uma coisa que está martelando na minha cabeça. Bem, hoje uma das pessoas mais importantes da minha vida disse uma coisa que doeu, mas é verídica: "Você só pensa em você mesma. Quando eu mais preciso você me deixa!" Eu assenti. E isso me dói. Nem eu consigo me entender. Sabe, eu sei o que devo fazer, mas, por algum motivo, não faço. Sei que já melhorei muito, mas o meu muito não é o bastante. Esse ser que me apunhalou o peito é tuuuudo na minha vida. Minha proteção, meu refúgio, meu alicerce, meu melhor amigo, meu amor, meu amante, meu defensor, meu pai, meu filho, meu irmão... meu tudo! O ser humano é realmente uma espécie muito estranha. Como eu posso ter tudo que preciso em uma pessoa e não saber recompensá-la como ela merece? Meu Deus, como? Isso me desespera. Será que eu sou tão sem coração assim? Eu AMO esse ser que me faz tão bem, mas não sei dar a ele o carinho que precisa. Uma pessoa tão frágil, tão carente, tão necessitada de mim... E ao mesmo tempo tão forte, tão completa, tão perfeita... Mas tão necessitada de mim. Necessitada do meu ser mais íntimo, do meu amor por inteiro, da minha dedicação total, do meu melhor sorriso... Necessitada de toda a minha atenção.

Sempre acreditei que não devemos esperar dos outros as mesmas atitude que teríamos no lugar deles. Afinal, cada um dá o que tem. Mas, com o tempo, em alguns casos, meu conceito foi mudando.
Para viver um grande amor é preciso muito mais que carinho, beijinhos e gostar da companhia do outro. É preciso muuuuita renúncia, entrega, dedicação... É preciso estar disposto a mudar muitos conceitos, enfim, não é fácil como parece. Assim como citei no post anterior: "Amizades não são tão fáceis quanto parecem. Exceto quando não se têm vontade de que seja eterno... quando não têm AMOR. Assim acontece em todos os relacionamentos afetivos. " Pois é, a verdade é essa. Amar não é fácil. Mais difícil ainda é se entregar de corpo e alma e fazer o impossível para que dê certo. As vezes não recebemos do outro o que esperávamos, as vezes não damos ao outro o que ele esperava de nós. Erramos. O erro é inevitável, somos humanos. Quando o desleixo é recíproco, vá; sofremos os dois. Mas e quando só uma das partes colabora para que seja eterno? O mais triste é assistir de camarote o sofrimento de quem amamos, e ainda por cima saber que a culpa é toda nossa. Não sei se é pior ou melhor (porque podemos ter esperança, pelo menos, de uma mudança), mas acontece que, as vezes, causamos o sofrimento alheio "sem querer". Mas isso é óbvio: jamais desejaria fazer quem amo sofrer. Muitas vezes somos c-o-m-p-l-e-t-a-m-e-n-t-e diferentes um do outro. Outros princípios, outros gostos, outras crenças, outra criação... E é aí que entra a entrega, a renúncia, a dedicação... Enfim...
Somos tão diferentes e ao mesmo tempo tão iguais. Nos completamos, eu sei. No final, a gente supera TUDO. O amor é maior, sempre.



P.S.: GENTEEEE, ME DESCULPEM PELA DEMORA. TANTA COISA PRA DIZER E É TÃO DIFÍCIL TRANSFORMAR EM ALGO QUE PRESTE NO PAPEL.
P.P.S.: BEM, ESSE TEXTO FOI ESCRITO A BASTAAAAANTE TEMPO ATRÁS MAS SÓ AGORA TIVE TEMPO E UM POUCO DE ÂNIMO PRA ESPANTAR E PREGUIÇA E POSTÁ-LO. AMO A TODOS. BEIJO GRANDE. TATI.

4 comentários:

Felipetm disse...

arrebentou! ao começar a ler seu post, pensei que se tratava basicamente da mesma coisa que postei hoje tambem! hahahaha.

boa semana

M.A.N disse...

Senti saudade de você e dos seus textos. Não temos nenhuma intimidade (ainda), mas em nome da sincera e entusiasmada admiração que sinto por você, te peço, te imploro e te suplico: NÃO SE DEMORE TANTO. Parabéns e beijo. Marcos.

P.S. Postei lá o primeiro ato da peça mais sórdida e hilária da história. Por favor, meu anjo, não leia. Mas não leia mesmo!!!

R.Vinicius disse...

"O segredo - ouvi dizer - está em saber reconhecer, os que ficam e os que se vão." Abraço.

lcd disse...

você é muito boa no que faz!!!
continue!!!bjsss