19 de janeiro de 2009

Diário de bordo!

Por um instante a paz reinou!


"São 5:00 da manhã. O despertador não tocou, eu não acordei e consequentemente estou atrasada para a viagem. Meu pai bate na porta e eu ainda estou babando no travesseiro. Abro os olhos, levanto lentamente e destranco a porta do meu quarto. Consigo fazer isso tudo caindo e me segurando nas paredes. Só ouço meu pai dizendo "Anda, estamos atrasados. Seus primos já estão subindo as escadas. O despertador não tocou!" Eu, preguiçosamente, entro no banheiro e tomo um banho. Sai do banho e olhei pra cozinha, meus dois primos estavam tomando café. Falei um "Bom Dia" bem preguiçoso e fui pro meu quarto. Vesti um short jeans e uma blusinha de alça. Me olhei no espelho e vi que incrivelmente não queria me arrumar. Prendi o cabelo num rabo de cavalo e fiquei imaginando: "Ai cabelo, bem que você podia ser meu amigo, né?!" Resolvi não me importar e fui tomar café. Quando saimos de casa o dia já tinha raiado. No caminho, muitas brincadeiras, piadas, risadas, música e o que eu mais gosto das viagens: o vento no rosto. Pensei em fechar a janela pro vento não atrapalhar minha franja, mas lembrei de uma música: "Tudo que é bom de verdade, despenteia!" Resolvi colocar a cabeça pra fora da janela. Sentia que, cada vez mais, meu cabelo ia embolando. Não me importei!

_ Chegamos! disse o meu pai. Sai do carro, cumprimentei as pessoas, e fui acordar a Ana (minha prima).

Entre outras aventuras, depois de uma looonga caminha encontramos um casa muito bonita. Não resistimos! Pulamos a porteira. Uns passaram pelos vãos da madeira e outros pularam por cima. Um paraíso! Logo na entrada, lavamos os pés enlameados em uma bica de água da nascente. Seguimos pelo quintal e encontramos uma piscina natural meio com cara de cachoeira. Dá pra resistir? Definitivamente NÃO! Hesitamos um pouco antes de nos jogarmos na água com medo de sermos descobertos, mas não resistimos. Depois da piscina natural partimos para uma cachoeira, mas uma cachoeira de verdade. E mais uma looonga caminhada começa. Quando finalmente chegamos, fiquei impressionada. Era um lugar lindo. Tinha grandes pedras esverdiadas pelas algas e escorregadias. Passamos por cada uma delas com a ajuda do nosso primo pra não cairmos. No ponto mais alto que conseguimos chegar, eu sentei. Sentei em uma pedra firme e sem algas. Deitei a cabeça em outra pedra, fechei os olhos e deixei a água cair em mim. Era um jato forte, parecia que ia me derrubar. Mas era relaxante. Naquele momento senti paz dentro de mim. Não pensei em mais nada. Só senti a água que vinha pelas pedras encharcando minha roupa e a paz que vinha pelas águas encharcando meu coração."




> Esse foi o primeiro capítulo do Diário de Bordo das minhas férias de verão!

2 comentários:

Ronaldo Queiroz disse...

Quee Lindo Tati! [/choreioceanos

Anny Saar disse...

Tatiii já sabee qe so sua fã ! Ameei oqe escreveeu, escreveu tm bem como sempre. Beeijos smoor. Saudades ♥